quinta-feira, 29 de outubro de 2009

The Vampire Diaries

ontem comecei a ver uma nova série (como se eu já não tivesse séries demais pra acompanhar) depois da indicação do Hugolito, meu amigo playsson lifestyle rs.

embora eu seja uma cagona de marca maior para filmes com espíritos, sou super suspeita pra falar sobre séries de vampiros porque eu era viciada em Buffy e curto bastante a história de Twilight, embora eu não goste da autora dela, Stephanie Meyer.

enfim, sei que depois do Hugo tanto insistir, eu baixei pra ver. e agora eu super recomendo.

só assisti o primeiro episódio, mas achei a história super envolvente. mistura um pouco de Buffy, Crepúsculo, The OC, e outras séries teens, mas cai no estilinho que eu gosto.

sem contar que a trilha sonora é MUITO boa e o vampirinho do mal é MUITO gato (desculpa, amor, te amo! rs)

acho que vale a pena baixar a temporada toda. ;)

"Jogar pra ganhar"

"Existiu um tempo em nossas vidas em que nós não tínhamos medo - aquela sensação de quando pulávamos dos brinquedos no parquinho e jogávamos nossos corpos no chão. Talvez isso tenha sido quando andamos pela primeira vez numa montanha russa, ou quando estávamos na escola ou faculdade e sentíamos que não havia nada que não pudéssemos fazer. Nenhuma meta era inatingível. Nós éramos uma força imparável que pensava numa coisa e a fazia acontecer.

Então, conforme o tempo passa, o mundo nos diz mais frequentemente que não podemos fazer o que queremos. Os questionadores riem de nossos objetivos e tentam nos convencer de não seguir nossos sonhos.

Eles dizem, 'Você é louco. É muito difícil. Porque você não faz assim? Você deveria jogar na defensiva'. Eles agem como se sonhos fossem feitos para outros pessoas que não nós mesmos. Eles nos rodeiam com energia negativa e tentam insinuar seus próprios medos e inseguranças para nós. Nós não só começamos a conhecer a palavra 'medo', como também começamos a entender o que é se sentir assustado. Com tantas pessoas nos dizendo que não podemos fazer algo e tão poucas dizendo que podemos, é difícil não deixar o medo entrar em nossas vidas. Infelizmente, é assim que muitos de nós vivem suas vidas.

Mesmo se você tiver 20 ou 50 anos, muitos de nós ficam com tanto medo de perder o que tem que não vão atrás daquilo que realmente querem. Nós jogamos na defensiva e nos seguramos tão forte ao status quo que nunca experimentamos o que realmente poderia acontecer. Nós acreditamos nos questionadores e não corremos riscos que nos deixariam um passo a frente na direção dos nossos sonhos.

Eu chamo isso de 'jogar pra perder'. Nós vemos isso em esportes o tempo todo, quando um time tem a liderança. Eles começam a pensar em como não perder invés de pensar em como ganhar. Eles se agarram tanto à liderança que começam a jogar de forma defensiva e medrosa. Você consegue ver isso na linguagem corporal deles. E como resultados, outro time se aproveita disso, joga sem medo e eventualmente domina o momento e vence.

Para viver uma vida cheia de energia positiva nós precisamos aprender a repelir a energia do medo. Quer venha de dentro, quer venha de outra pessoa, precisamos superar o medo e adotar uma postura de 'jogar pra ganhar'. Jogar pra ganhar requer um comprometimento com você mesmo de que mesmo que você falhe, você nunca vai desistir nem deixar seus objetivos e sonhos morrerem.

Aqueles que jogam pra ganhar sabem que sucesso não é nos dado. Ele é conquistado com toda energia e suor que conseguimos juntar. Obstáculos e dificuldades fazem parte da vida e só servem para nos ajudar a apreciar o sucesso. Se tudo viesse fácil nós não saberíamos como é sentir que realmente tivemos êxito.

Obstáculos são feitos para serem superados. Medo é feito para ser dominado. Sucesso é feito para ser alcançado. Eles são parte do jogo da vida e as pessoas que têm êxito jogam pra ganhar e nunca desistem até que o jogo acabe.

Você joga pra ganhar ou perder?

Mantenha-se positivo.

Jon"

--

Esse é de longe o melhor texto do Jon Gordon que eu li até hoje. E encaixou perfeitamente com o post revoltado que eu escrevi ontem. Hora de mudar de postura, né? Pilates, aí vou eu! ;)

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Further down

cara, se tem uma coisa que me tira do sério é gente negativa. gente que corta sua onda pq a dela não tah cheia. ah pá porra né.

sim, eu me explico: hj fui toda serelepe e pimpona fazer uma aula experimental de pilates. eu tô precisando fazer exercício físico pq essa vida sedentária tah foda, e uma amiga me indicou pilates pq segundo ela (q faz pilates numa academia perfeita com uma professora perfeita) era bem legal.

lá fui eu. e adorei! cheguei da aula, liguei pra contar né. aih vieram as perguntas: mas ela não fez alongamento? lá não tem espaço? ela isso ela aquilo?

cara, críticas construtivas são aturáveis desde que feitas de uma maneira delicada.

ateh eu, que sou a pessoa mais grossa do mundo, tento me preocupar na hora de criticar alguém. falar a verdade machuca, porra, vamos com calma né.

sei que depois das 348 críticas eu, que tava no pique, fiquei desanimadona. decidi ir em outra academia (a academia perfeita dela) fazer outra aula experimental pra ver como é.

odeio energia negativa. O-D-E-I-O.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Anybody there?

Carácoles!

Essa semana foi punk. Nem consegui sentar o rabisteco e vir aqui dar o ar da minha graça.

Deixa eu dar um resumo geral dos fatos mais relevantes.

Segunda eu tava indo pro estágio e peguei o ônibus interno no Fundão errado. Fiquei dando voltinhas lá dentro por quase uma meia hora. Foi um bom passeio turístico. Pena que eu já conheço o Fundão de cor e salteado e cheguei atrasadinha no estágio.

Falando em estágio... Nunca vi tanta planilha de excel em tão pouco tempo como foi essa semana. Rolou um Workshop ontem e a gente tinha que dar um jeito de fazer as contas baterem. Tudo bateu, mas eu tô com dor de cabeça até agora.

Hoje fui no dentista e levei um esporro básico. Que saco ter que usar fio dental. Prefiro pagar R$ 80 de seis em seis meses por uma limpeza radical que nem a de hoje do que ter que ficar passando aquele barbante irritante nos meus dentinhos. Mas é uma sacanagem obrigar a minha dentista (que é uma fo-fa!) a me dar bronca. Ok. Tentarei fazer uma higine bucal correta.

De noitinha vou pra casa da minha irmã.. encontrinho de casais.

E só.

;)

sábado, 17 de outubro de 2009

Amor

hoje me deu vontade de falar de amor.

o aurélio define o amor como muitas coisas:

amor (ô) sm. 1. Sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem. 2. Sentimento de dedicação absoluta de um ser a outro, ou a uma coisa. 3. Inclinação ditada por laços de família. 4. Inclinação sexual forte por outra pessoa. 5. Afeição, amizade, simpatia. 6. O objeto do amor (1 a 5).

eu amo.

eu amo porque toda noite eu vou dormir pensando em quem eu quero que acorde bem no dia seguinte.

eu amo porque eu dedico uma boa parte do meu tempo pra tentar fazer alguém feliz.

eu amo porque eu sonho com uma estante cheia de livros e dvd's na casa da família que eu vou formar.

eu amo porque eu tenho tesão.

eu amo porque eu não vejo minha vida sem meu melhor amigo do lado.

eu amo, porra. ponto final.

e por mais lógica que eu seja, e apesar da minha mania de querer quantificar toda e qualquer coisa, meu amor eu não consigo medir. muito menos o de quem eu sei que ama.

então eu acredito. eu acredito que tem alguém que me ama.

eu acredito quando eu olho nos olhinhos dele brilhando.

eu acredito quando eu sinto o cheirinho de suor naquele abraço quando ele acabou de chegar da rua.

eu acredito quando levo um tapa sem querer quando tô dormindo.

eu acredito quando eu sinto um braço me apertando na hora de ir deitar.

eu acredito quando eu olho pro meu dedo e vejo um anel de aço que nos une.

eu acredito quando fico ganhando cafuné até pegar no sono.

eu acredito quando eu ouço 'eu te amo'.

é tão fácil... é só acreditar, oras!

sem precisar medir, sem precisar falar ou ouvir...

basta sentir... !

;)

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

"O poder da mudança"

"No livro 'The Shark and the Goldfish', Gordy, o peixinho dourado, é forçado a sair do seu aquário seguro e confortável e se encontra num oceano de mudanças e incertezas.

É uma trilha com a qual muitos de nós podemos nos identificar. Mudanças acontecem o tempo todo e, quando ela surge, nós somos forçados a mudar do conforto do conhecido para o desconforto do desconhecido.

Durante essas épocas é que nos vemos frente a frente com nossos maiores medos - que muitas vezes sabotam nossa alegria, confiança, produtividade e sucesso. Mudanças viram nosso mundo de cabeça pra baixo e nos guiam a pensamentos, atitudes e resultados negativos.

Mas Sammy, o tubarão, tem uma importante lição para Gordy e para você e sua equipe se vocês estiverem lidando com mudanças. Mudanças podem ser amigas ou inimigas e isso é determinado por como você percebe e lida com essa mudança. Você pode fazer da mudança um inimigo se resistir e fugir dela, ou você pode torná-la um amigo se a aceitar e aprender com ela.

Para prosperar você precisa aceitar a mudança. Sammy então compartilha 5 questões que devemos perguntar a nós mesmos para nos ajudar a aceitar e seguir nas ondas de mudanças:

1. O que eu posso aprender com essa experiência?
2. Como posso ficar mais esperto, mais forte e melhor por causa dela?
3. Que oportunidades ela apresenta?
4. O que eu quero agora?
5. Que atitudes eu preciso tomar?

(...)

E você? Está passando por mudanças? Quero te encorajar a se perguntar e responder a essas questões. E então entre em ação. Tenho certeza que quando você fizer isso, você perceber outra importante lição que Sammy ensinou: 'Mudanças não são o fim, mas o início de algo melhor.'

Ride the wave."

Jon Gordon

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Quarta comum

hoje o dia começou tranquilo mas a manhã no estágio foi meio tensa pra minha pobre cabecinha sobrecarregada.

felizmente, às quartas eu volto cedo pra casa.

tô aqui organizando as fotos do feriado e vou dar um gás no capítulo 2 da monografia... muitas idéias na minha cabeça!

ah, eu tô devendo um texto do Jon Gordon que tá no meu e-mail. A newsletter dessa semana tá legal como sempre. Ainda não deu tempo de traduzir, vou tentar fazer isso amanhã.

sem mais por hoje, eu acho!

começando a minha promessa de escrever mais né! hehe

;)

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Pensando bem..

tava aqui lendo vários blogs e vi como tem gente por aí que escreve super bem.

aí eu me dei conta que eu, que sempre achei que era uma das poucas engenheiras que sabiam escrever, escrevo muito pouco e me acho muito muito.

eu concordo comigo mesma na parte que engenheiro não sabe escrever. não sabe mesmo. até alguns dos meus professores escrevem absurdamente errado e eu acho isso péssimo.

mas na parte que eu escrevo bem eu já não me concordo (rs). eu até acho que tenho um estilo legal, não erro muito o português e tals. mas o que falta mesmo é a criatividade.

quando eu era mais nova, e ainda pensava em fazer direito na faculdade, meus textos eram muito bons. minhas poesias bombavam na minha cabeça, eu escrevia quase todo dia.

aí chegou o vestibular, minha rotina ficou numérica com a engenharia civil e as palavras foram escorregando da minha cabeça.

cara, mas eu não faço nada errado. eu leio pra kct. penso pra kct. o que falta? escrever mais, oras!

conclusão:
promessa pra mim mesma: escrever mais aqui a partir de hoje.

legal né?

tenho que correr pra não perder a van!

bjos!
;)

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Filho !

Qualquer semelhança...



... não é mera coincidência!



Coalas são tão liiindus !!!

;)

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

"Mantenha os olhos na bola"

"Eu recentemente me tornei um viciado em tênis. Fiquei colado na televisão durante o US Open e tento jogar sempre que eu posso. Originalmente eu fui forçado a jogar pela minha esposa, que precisava de alguém para praticar com ela, e pelo meu filho, que aos 9 anos decidiu que quer ser o próximo John McEnroe. Mas agora estou apaixonado pelo jogo e minha meta é me tornar o primeiro cara acima de 40 anos a ganhar o US Open. ;)

Na minha busca para ser o melhor, tive algumas aulas e quando estou jogando eu tento implementar o que aprendi. Eu digo a mim mesmo:

Mantenha a raquete baixa.
Mexa os pés.
Dobre os joelhos.
Rotacione os quadris.
De baixo pra cima.
Siga em frente.
Não desmaie. ;)

Um dia eu achei que estava fazendo tudo certo e ainda assim não batia bem na bola. 'O que estou fazendo errado?', eu me perguntei frustrado. Eu pensei em todos os conselhos que dei em 'Training Camp' e ri quando me dei conta que eu tinha esquecido o óbvio.

Eu estava fazendo tudo menos manter meus olhos na bola. Eu estava tão concentrado em tentar fazer tudo que eu esqueci a parte mais importante do jogo.

Eu sei que não estou sozinho. Eu vejo isso acontecer o tempo todo nos negócios, nas escolas, no esporte e na vida.

Distrações nos fazem perder o foco.

Nós permitimos que o trivial entre no caminho do que é importante de verdade.

Negócios e stress nos impedem de desenvolver relações que são cruciais na construção de uma carreira ou equipe vencedoras.

Nós lamentamos o passado, nos preocupamos com o futuro e tiramos nosso foco do presente.

Bombardeados com informações e distrações, nos esquecemos do que é mais importante.

Nos preocupamos com o resultado invés do processo e nos perguntamos porque erramos nossos alvos.

Nos focamos em tudo menos na bola.

Hoje eu quero te encorajar a manter seus olhos na bola. Volte ao básico. Foque no fundamental. Pense no que realmente importa. Identifique os simples princípios e ações que são cruciais para seu sucesso no trabalho e em casa.

Simplifique, foque, execute.

Eu joguei tênis ontem por trÊs horas. Meu corpo estava cansado e as bolhas nos meus pés estavam me matando. Mas eu fiquei dizendo a mim mesmo 'Mantenha os olhos na bola'. Eu joguei melhor do que já havia jogado antes.

Manter meus olhos na bola me ajudou a levar meu jogo para um outro nível. Eu sei que isso vai ajudar você a fazer o mesmo. Como você mantém seus olhos na bola? O que a bola simboliza pra você?"

Jon Gordon