quarta-feira, 6 de março de 2013

Dias de glória

Hoje me peguei navegando por um momento nostálgico depois que soube da morte do Chorão, vocalista do Charlie Brown Jr.

Não que a banda fosse minha preferida, não acompanhava o trabalho de perto... mas passei boa parte da adolescência ouvindo Charlie Brown.

Li muitas mensagens na internet que diziam justamente o quê eu estava pensando: nunca fui fã nº 1, nunca dormi em porta de hotel... mas quantas fases da minha vida não foram embaladas pelo som dos caras? Acho que isso quase me dá o direito de sentir a perda tanto quanto qualquer outro fã...

É triste ver que um cara que podia se expressar tão bem através da música partiu de uma maneira tão solitária, tão boba!

Somente posso expressar a perda que os adolescentes de 10, 12 anos atrás estão sentindo hoje com as minhas lembranças...

Ficar sentada na rua depois da escola batendo papo, com os meninos tocando violão. Ir pro shopping de galera fazer bagunça no McDonald's. Os lanches podrões na hora do recreio. O início da liberdade de ir pra night... e tantas mais bobagens.

O começo da falsa sensação de maturidade, de que podia tudo contra o mundo, que eu sabia de tudo e os outros de nada. Essa coisa de adolescência, sabe?

Essas lembranças meio emboladas sempre tiveram um Charlie Brown de fundo...

No meio disso tudo, eu lembro de um único show que eu fui do Charlie Brown em que o Chorão andou de skate no palco. E em como foi bonito quando ele cantou "Lugar ao sol", com luzes azuis, um momento especial.

Por causa desse momento eu escolhi "Lugar ao sol" pra entrar no salão no dia da minha festa de formatura. Foi dedicada total ao meu pai que não estava mais aqui.

O cara podia ser o que fosse. Drogado, excêntrico, doidão mesmo. Mas que foi capaz de me trazer lembranças especiais, isso não dá pra negar.

Um brinde a nós, adolescentes de ontem que reconhecemos hoje que um ídolo nosso se foi.

Que Deus abençoe Chorão. E nos dê novos ídolos que possam embalar cada fase de nossas vidas como ele foi capaz.

#RIPChorão

"... Livre pra poder sorrir, sim. Livre pra poder buscar o meu lugar ao sol..."